quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Campeonato Nacional de Orientação de Precisão


De modo a assegurar a continuidade do quadro competitivo da Orientação de Precisão, e aproveitando a realização da Figueira da Foz City Race, a Associação Desportiva do Mondego disponibilizou-se para organizar o Campeonato Nacional de Orientação de Precisão, que decorreu na tarde de domingo, dia 10, no Parque de Campismo Municipal da Figueira da Foz.

Apesar das condições meteorológicas francamente adversas, a prova contou com a participação de 21 atletas, com cinco atletas a competir na classe para-olímpica e dezasseis a na classe aberta.

Na classe Para-olímpica, Ricardo Pinto, do Hospital da Prelada fez valer a sua já larga experiência internacional, sagrando-se campeão nacional com uma confortável vantagem de quatro pontos sobre o seu companheiro de equipa Júlio Guerra, que registou 13 respostas certas. A fechar o pódio ficou Cláudio Poiares, também da Prelada, com doze pontos. 
Ricardo Pinto registou 17 opções corretas em 22 desafios, fazendo o pleno de respostas certas nas estações cronometradas (que servem de critério de desempate, através do menor tempo de resposta e em que cada opção errada penaliza os atletas em 60 segundos).

Na classe aberta, registou-se a ausência de dois dos melhores atletas nacionais, João Pedro Valente, a residir em Espanha e Inês Domingues, que se sagrou vice campeã do mundo no World Trail Orienteering Championship, que decorreu em junho, em Idanha-a-Nova.

Não obstante, como era esperado, o nível competitivo foi bastante elevado, com o pódio a ser garantido por outros três atletas internacionais.

Edgar Domingues, do Clube de Orientação do Centro, sagrou-se campeão nacional, registando 21 pontos em 22 desafios, tendo apenas como erro o desafio número 15 em que, curiosamente, apenas um atleta, do escalão para-olímpico, registou a resposta considerada correta. 

O segundo lugar foi disputado por três atletas, todos com 20 pontos, com o desempate a atribuir o segundo lugar a Luís Gonçalves, do Clube Português de Orientação e Corrida, que registou um tempo de 31 segundos no somatório dos seis desafios cronometrados, ficando Cláudio Tereso, do Académico de Torres Vedras, na terceira posição, com um registo de 42 segundos.
Com os mesmos 20 pontos, mas com um registo de 146 segundos, a refletir uma penalização de 60 segundos, Acácio Porta Nova, do Clube Português de Orientação e Corrida, classificou-se no quarto lugar.

O CAOS, depois de se ter participado na organização do World Trail Orienteering Championship, deu mais um passo nesta variante da orientação, através da participação do atleta Nuno Pedro, que alcançou o sétimo lugar na classe aberta, com um registo de 18 pontos e 55 segundos nos desafios cronometrados...